sábado, 14 de fevereiro de 2015

AMOR e AMIZADE a SEIS VOZES

Nem só de aulas, estudo, trabalho… se faz o quotidiano de uma escola. Para comemorar o dia dos namorados – não importa que a celebração seja uma importação anglo-saxónica sem raízes na tradição portuguesa, porque é sempre agradável celebrar as boas coisas da vida –, as alunas do Clube de Leitura e Voluntariado andaram pelas escolas Morgado de Mateus e Monsenhor Jerónimo Amaral declamando poemas e lendo textos de amor e de amizade, com acompanhamento musical.


Ficam algumas fotografias e dois dos textos escolhidos.






O AMOR

O AMOR, quando se revela,
Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar p'ra ela,
Mas não lhe sabe falar.

Quem quer dizer o que sente
Não sabe o que há de dizer.
Fala: parece que mente...
Cala: parece esquecer...

Ah, mas se ela adivinhasse,
Se pudesse ouvir o olhar,
E se um olhar lhe bastasse
P'ra saber que a estão a amar!

Mas quem sente muito, cala;
Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala,
Fica só, inteiramente!

Mas se isto puder contar-lhe
O que não lhe ouso contar,
Já não terei que falar-lhe
Porque lhe estou a falar...

Fernando Pessoa

OS AMIGOS

Os amigos amei 
despido de ternura 
fatigada;
uns iam, outros vinham, 
a nenhum perguntava 
porque partia, 
porque ficava; 
era pouco o que tinha, 
pouco o que dava, 
mas também só queria 
partilhar 
a sede de alegria —
por mais amarga.

Eugénio de Andrade

Sem comentários:

Publicar um comentário